Haddad entrega carteira de trabalho para dependentes químicos

Rafael Italiani

05/08/2014 | 19h45

Grupo atendido pelo Braços Abertos deixará hotéis na Cracolândia e se mudará para apartamentos na Liberdade e no Pari

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) entregou na tarde desta terça-feira, 5, as primeiras carteiras de trabalho para dependentes químicos da Cracolândia, região central, beneficiados pelo programa Braços Abertos da Prefeitura. O grupo também será o primeiro a se mudar para dois hotéis de um novo programa municipal, batizado de Autonomia em Foco. Segundo Luciana Temer, secretária Municipal de Assistência Social e Cidadania, as duas unidades terão cerca de 220 vagas e ficam na região central: uma na Liberdade e outra no Pari. 

"Esperamos que seja um espaço de construção de autonomia não só para ele (dependente químico). Não vamos estigmatizar como um local só para o Braços Abertos. Eles vão começar um processo de inclusão com outras pessoas", explicou a secretária.

Ieda Santos Silva, de 56 anos, tirou sua primeira carteira de trabalho

Ieda Santos Silva, de 56 anos, tirou sua primeira carteira de trabalho Foto: EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

Ao todo, 16 pessoas foram contratadas para trabalhar em uma empresa de limpeza que presta serviço para a Prefeitura em unidades básicas de saúde (UBSs) e hospitais municipais. Luciana espera que o grupo possa deixar os alojamentos na cracolândia em dez dias, após a inauguração dos hotéis. 

Os beneficiários que conquistaram as carteiras de trabalho serão deslocados para trabalhar como faxineiros em Centros de Referência de Assistência Social (Cras) espalhados em São Paulo. O salário será de R$ 820, com vale refeição de R$ 9,10, cesta básica no valor de R$ 81,33 e vale-transporte. O processo de seleção para chegar aos 16 começou com 40 inscritos no programa. 

"Dessa lista, começamos uma dinâmica de conversa. Elas passaram por uma avaliação psiquiátrica para ver o quanto de fato estavam prontos. Tivemos tranquilidade com 18", afirmou Luciana. De acordo com ela, após a escolha, duas pessoas não quiseram o trabalho.

Haddad disse que a Prefeitura "tem procurado" as empresas prestadoras de serviço para programas sociais. "Se elas (as empresas) quiserem se aproximar e fazer parceria, rapidamente equacionaremos o problema." 

Expectativa. A faxineira Ieda Santos Silva, de 56 anos, se diz "ansiosa" com o primeira carteira de trabalho. "Eu sei que vou trabalhar em um Cras da Vila Mariana. Para não atrasar, já fiz o caminho de metrô para saber quanto tempo vou demorar", afirmou Ieda, com lágrimas nos olhos. Ela já havia chorado há pouco mais de um mês, após tirar um foto com príncipe Harry, que visitou o galpão dos varredores da Prefeitura na Cracolândia.

Para Paulo Sérgio Souza, de 36 anos, o trabalho é uma oportunidade para reencontrar a filha de 10 anos, que não vê há quase um ano. "A dignidade eu já resgatei. Agora, o que eu mais quero é poder reencontrar minha filha", disse. Souza vai trabalhar em um Cras na Vila Prudente, na zona leste.